Sobre nós

Todos sabemos que o Brasil é um país que desperta paixões e muita curiosidade por todo o mundo. Somos o país da Carmen Miranda e da Gisele Bundchen, do Oscar Niemeyer e do Paulo Coelho, do Tom Jobim e do Neymar, do Ayrton Senna e do Pelé; somos conhecidos pelas nossas praias e pelo Carnaval. Por isso não é à toa que nos dedicamos ao surf e à música brasileira, pois ambos estão projetando o nome deste país além fronteiras.

Surf

O Brasil tem praias, clima, tradição e futuro num esporte emocionante, ecológico e que reflete o gosto pela natureza e um estilo de vida simples e radical. Nos orgulhamos dos melhores surfistas tupiniquins, competindo ao mais alto nível mundial, e nos emocionamos com a criança que sorri de alegria depois de dominar sua primeira onda. Somos todos “surfistas solitários” como Gabriel, o Pensador, e vivemos esperando a próxima onda!

A música e a balada

Enquanto surfistas, somos fãs da natureza, da vida ao ar livre e daquilo que os inteletuais chamam de “hedonismo”, a filosofia que afirma que o prazer é o aspeto mais importante da experiência humana. Os mais moralistas se referem ao hedonismo como sinônimo de depravação ou decadência moral e civilizacional, mas não concordamos com essa visão simplista. Nós trabalhamos e reconhecemos a importância de nosso trabalho; nós gostamos de nossas famílias e trabalhamos para seu bem-estar; e nós temos em conta nossas comunidades, também. Na verdade, nossa preocupação com a natureza e o Planeta Terra superam a de alguns moralistas.

Se, depois disso, somos hedonistas por considerarmos que o trabalho deve ser enriquecedor da experiência humana, e não uma escravatura repetitiva; e se somos hedonistas porque gostamos de curtir a balada ao som da melhor música, então essa é uma boa forma de nos descrever. Gostamos da música eletrônica mais avançada, cultivamos nossas raízes culturais brasileiras, e quando vemos o Brasil a criar música nova como tem feito em tantas décadas, curtimos mais ainda!