Surf no Brasil

Os primeiros registos da presença do surf do Brasil datam da década de 30, na cidade de Santos. Com a Segunda Guerra Mundial, o Rio tornou-se base naval para os Americanos que trouxeram as suas pranchas de surf para as praias cariocas. O paulista OSurfingsmar Gonçalves é considerado por muitos o pai do surf brasileiro; fez a primeira prancha brasileira em 1938 juntamente com João Roberto e Júlio Putz. AS primeiras pranchas de fibra de vidro, importadas diretamente da Califórnia, só chegam ao Brasil em 1964.

A “Associação de Surf do Estado do Rio de Janeiro” surgiu em 1965 e foi a primeira organização de surf do Brasil; foi também nesse ano que foi realizado o primeiro campeonato oficial de surf. Atualmente a organização da modalidade no Brasil está a cago da “Confederação Brasileira de Surf”, filiada do Comité Olímpico Brasileiro e da “Associação Brasileira dos Surfistas Profissionais”; o campeonato nacional de surf é denominado de “Circuito SuperSurf”.

O surfista Peterson Rosa foi considerado o melhor surfista dos últimos vinte e cinco anos, com três títulos brasileiros (1994, 1999 e 2000); é também o recordista brasileiro de participação no World Tour (WT) com presença em 14 temporadas ininterruptas (1993 a 2006).

Neste momento, existem muitos talentos brasileiros a dar cartas no surf mundial; temos o exemplo de Gabriel Medina que foi campeão mundial da AST World Tour em 2014, tendo sido o primeiro brasileiro a vencer um mundial de surf e é também ele o mais jovem brasileiro a entrar no ASP WT. Podemos ainda falar de outros jovens talentos como Adriano de Souza, Miguel Pupo, Filipe Toledo, Alejo Muniz e Jedson André.

entre as praias mais renomadas para surfar no Brasil, se encontram Baía Formosa, Boca da Barra, Cacimba do Padre, Itamambuca, Macumba, Maresias, Pico das Almas, Praia da Carnaubinha, Praia da Regência e Praia do Forte.